HOME   |   Eventos, Projeto  |   Federação Italiana lança viagem de estudos de arquitetura e paisagem

Federação Italiana lança viagem de estudos de arquitetura e paisagem

Eventos, Projeto
09/08/2017
A viagem será para a região do Vêneto (Itália) e irá selecionar obras que retratam, sobretudo, momentos de excelência do arquiteto Andrea Palladio (Pádua, 1508 – Veneza, 1580).

A Federação das Associações Veneto do Estado do Paraná abriu as inscrições para a viagem de estudos de arquitetura e paisagem Vêneta que será realizada em outubro deste ano.  Com o tema: “Palladio & Aldo Rossi, Genius Loci”, o percurso da viagem seleciona obras que retratam, sobretudo, momentos de excelência do arquiteto Andrea Palladio (Pádua, 1508 – Veneza, 1580).

A leitura será guiada por conceitos de geografia cultural, matéria na qual se destaca o geógrafo inglês Denis Cosgrove (Liverpool, 1948 – Los Angeles 2008), conhecido pelo seu trabalho sobre estudos da paisagem do séc. XVI da Região do Vêneto (IT).

Aldo Rossi logo 04

A geografia cultural revela-se de grande utilidade para o arquiteto no momento em que entende as manifestações sob o relevo de um determinado território como um texto a ser lido e decifrado por uma metodologia interdisciplinar, onde diversas disciplinas (da sociologia à história; da cartografia à pintura e desta à psicologia) se tocam na busca da compreensão da construção do imaginário arquitetônico e paisagístico do ponto de vista simbólico, cultural e antrópico de uma determinada classe, indo além das questões técnicas e das imposições concretas do meio de inserção.

Para este ano, além das obras palladianas, foi escolhida uma obra relevante, porém pouco conhecida fora da Itália do arquiteto Aldo Rossi (Milão, 1931 – 1997). Trata-se da sede municipal da pequena cidade de Borgoricco, na Província de Pádua. A partir deste momento entra no campo de estudos o instigante tema do genius loci, ou “espírito do lugar” ou ainda “alma do lugar”, conceito tratado com excelência pelo psicólogo pós-junguiano James Hillman (Atlantic City, 1926 – Connecticut, 2011). O intervento de Rossi no território vêneto nos faz refletir até que ponto um determinado lugar é moldado por imperativos que transcendem as necessidades concretas e entram no campo da psicogênese do lugar.

Elementos da arquitetura rural vêneta reaparecem revisitados no projeto de Borgoricco: a barchessa (anexo a uso de depósito da casa senhorial), a composição tríade do corpo principal, a cobertura em forma de casco de navio invertido, a praça como campo ordenador visual e ponto de encontro comunitário, etc.

Acontecerão reflexões sobre a cultura como representação de um archai, a plataforma matriz descrita pelo filósofo Platão (Atenas 428 a.C.- Atenas 348 a.C.), onde recipiente e conteúdo se moldam contemporaneamente pelo inconsciente coletivo, conceito impresso na própria raiz da palavra archi-tettura, ou seja, o fazer arquitetura como a eterna busca da forma pura elementar – um tema presente na cultura do Renascimento vêneto.

Indagações sobre que elementos nos levam a perceber a repetição de temas e formas que se tornam perenes e coletivamente aceitas, justamente por dizer-nos algo que vai além do simples utilitarismo, que nascem de uma camada profunda do inconsciente. O que caracteriza uma paisagem? Quais são suas cicatrizes que as marcam perenemente? O que revela sua “alma”? Rossi, em diversas obras explicitava que sua arquitetura era uma arquitetura nascida da memória, da lembrança, mas que não era em nenhum momento citatória ou celebrativa, mas uma biblioteca de lembranças e sentimentos que reelaborados faziam nascer o novo sem violentar a “alma do lugar”.

Neste ponto, e apesar da distância de séculos, Palladio e Aldo Rossi se encontram. Palladio, igualmente, jamais buscou apenas reproduzir formas e conceitos de uma antiguidade clássica, fazendo a celebração de um império não mais existente, isto é, de uma arquitetura considerada no seu tempo, pelos estudos do tratado de Marco Vitruvio Pollione (80 a.C. – após 15 a.C.), parâmetro do bem construir, mas as resgatou e as reelaborou tornando-as modernas para sua época e consone com o espírito do lugar.

Talvez, o exemplo mais evidente deste seu fazer arquitetura seja a ideia da “Villa Templo”, na qual, para uma residência de campo, ele introduz como elemento central e ordenador um pórtico clássico, muito embora, Vitruvio e os achados arqueológicos da Roma antiga o dessem somente para os templos. Fazendo assim, Palladio transforma a casa senhorial do proprietário rural vêneto do século XVI em um verdadeiro templo da prática de uma “Santa Agricultura”, tema caro ao veneziano Daniele Barbaro (Veneza, 1514 – 1570), defensor da mudança da matriz econômica da Sereníssima República de Veneza, do comércio marítimo para a agricultura. Mas, Palladio não apenas criava arquiteturas, como também imaginava paisagens, suas “villas-templo” eram também parte significativa de uma Arcádia imaginária, onde o homem vivia em perfeita harmonia com a natureza, através de uma vida sóbria.

Rossi, da mesma forma, recupera, reelabora, relembra, recompõem e decompõem diversos archai e desta sua prática nasce o novo, o moderno que expressa um fazer re-passado e preservado por gerações e que como nenhum outro manifesta a alma do lugar, através de seu gênio e de sua genialidade: o Genius Loci. São estes temas que se desenvolverão durante as visitas guiadas em uma das mais belas regiões italianas: a Região do Vêneto.
PROGRAMAÇÃO:

  • 09/10/2017 (1º dia no Vêneto, segunda-feira), Treviso: chegada ao aeroporto Marco Polo de Veneza e deslocamento com transporte do evento até Treviso. Dia dedicado à ambientação.
  • 10/10/2017 (2º dia no Vêneto, terça-feira), Vicenza: À descoberta da paisagem palladiana urbana e peri-urbana. Partida de Treviso às 9:00h em direção às proximidades da cidade de Vicenza para a visita da Villa Rotonda (Villa Almerico Capra), obra-prima do arquiteto renascentista Andrea Palladio. Pausa para o almoço em Vicenza e das 15:00 às 17:00h visita às obras palladianas urbanas de Vicenza (Palazzo del Capitaniato, Basilica Palladiana, Palazzo Chiericati e Teatro Olimpico, eventual visita ao museu palladiano, dependendo da disponibilidade de horário).
  • 11/10/2017 (3º dia no Vêneto, quarta-feira), Veneza: À descoberta da paisagem de laguna (esboços do skyline veneziano através de exercícios de walkscapes). Partida da estação central ferroviária de Treviso às
  • :00h em direção à cidade de Veneza. Vista da escadaria de Calatrava e à Biennale d’Arte 2017. Almoço em Veneza e retorno livre à Treviso.
  • 12/10/2017 (4º dia no Vêneto, quinta-feira), Stra (VZ) e Borgoricco (PD): A evolução da villa palladiana no séc. XVIII. Partida de Treviso às 9:00h para a visita à Villa Pisani (Villa La Nazionale) e seus jardins com labirinto (Stra, Província de Veneza). Pausa para o almoço. Às 14:30h, partida para a pitoresca cidade de Borgoricco, Província de Pádua, para visita da nova sede do município, projetada pelo arquiteto Aldo Rossi, eventual entrega dos certificados de frequência na mesma sede municipal. A arquitetura palladiana revisitada. Retorno à Treviso em torno das 18:00h.
  • 13/10/2017 (5º dia no Vêneto, sexta-feira), Cortina d’Ampezzo (BL): partida de Treviso em veículo do evento às 9:00h rumo a cidade de Cortina d’Ampezzo, aos pés dos Alpes italianos. À descoberta da paisagem de montanha, Dolomites e Lago Misurina. Retorno à Treviso em torno das 18:00h.
  • 14/10/2017 (6º dia no Vêneto, sábado), Veneza: deslocamento em veículo do evento ao aeroporto Marco Polo de Veneza para o retorno ao Brasil. Para aqueles que desejarem, há a possibilidade de prolongamento do período na Itália por mais cinco dias à descoberta do patrimônio histórico-artístico das cidades de Firenze e Roma. Grupo mínimo de 06 pessoas.
  • 15/10/2017 (7º dia, Brasil, domingo): chegada ao Brasil para os que não ficarão no pós-evento.

 

CONDIÇÕES E INVESTIMENTO:

  • Hospedagem: em quartos duplos, triplos ou quádruplos. Instituição religiosa católica da paróquia de San Nicolò, em Treviso (a cerca de 20 Km de Veneza). Café da manhã incluído. Local limpo, familiar, agradável, confortável e central, a 10 min. a pé do centro da cidade.
  • Deslocamentos: todas as visitas serão feitas em micro-ônibus exclusivo do evento. Serviço de transporte para o aeroporto também incluído. Exceto deslocamento de Treviso para Veneza (trem) e deslocamentos internos quando em Veneza (vaporetto).
  • Palestrante(s) e tutoria: todas as informações (palestras) e tutoria em português durante as visitas estarão a cargo do arquiteto Jean Pierre Velo (FAVEP), graduado em arquitetura e urbanismo pela UFPR, com especializações em História da Arte (PUCPR), Comunicação Audiovisual (PUCPR), Arte Educação (FAP), Psicologia Junguiana (PUCPR), Ecologia Humana (Associazione Italiana di Ecologia Umana – Università degli Studi di Padova-Itália), estudos palladianos (CISA-Vicenza-Italia) e com mais de vinte anos de atuação profissional no Brasil e na Itália. Eventualmente, teremos também a participação do historiador de arte italiano, prof. Dr. Paolo Ervas (graduado pela Università degli Studi di Pisa).
  • Alimentação: almoços e jantares estarão a cargo de cada inscrito.
  • Ingressos: estão incluídos no valor do investimento (exceto visita a Bienal de Arte de Veneza).
  • Investimento: 600 Euros (incluindo hospedagem, café da manhã, atividade cultural e deslocamentos internos durante a programação do evento). Condições de pagamento à combinar.
  • Passagens aéreas: não incluídas.
    Certificação: atestado de frequência internacional emitido pelos organizadores e apoiadores.

CONTATO E MAIORES INFORMAÇÕES:
Arq. Jean Pierre Velo
Cel.: 41 – 9 9901 9693
e-mail: velobrasile@hotmail.com

Organização e apoio: FAPEV

Logo FAVEP

 

Comentários: